FAQ (ou “Já vou logo avisando”)

Seu nome é mesmo José?
José como algumas das pessoas mais incríveis que conheci: meu pai, meu irmão mais velho, meus avós, bisavós e os demais antepassados de que temos notícia.

Que tipo de nome é Socas?
Não te quero decepcionar mas é um nome como qualquer outro. Já ouviu falar em apelidos? Pois os sobrenomes atuais são derivados de apelidos. Em Portugal, até hoje são chamados assim. A família de meu bisavô, no século passado recebeu esse apelido pelo costume dele (e de minha avó) de andarem sempre de socas, que nada mais são que aqueles tradicionais tamancos de Trás-os-Montes.

Você me parece fake. Você existe mesmo?
Se não existisse, como escreveria aqui?

Como alguém pode soar tão pretensioso e escrever tão mal?
No começo, eu revisava o que escrevia. Mas, se você procurar, verá que volta e meia eu falo de como escrevo devagar. Mesmo tendo feito o curso de datilografia do Bradesco em 1990 (ou 1991) e conseguindo teclar até perto de duzentos caracteres por minuto (com quase todos os dedos) num bom teclado, eu demoro muito para escrever. Tem a ver com o quanto eu emendo, páro, penso. Mas, pra falar a vardade, quase ninguém lê isto aqui. Os poucos que lêem encontraram este blog no Google por engano quando procuravam outra coisa. Eu só escrevo porque gosto e me alivia as idéias. Então resolvi, para agilizar, cortar muito do esforço de revisão. Mas, quando releio algo, não gosto de ver que as coisas saem erradas e bagunçadas e acabo mexendo. Contudo também procuro não ser mascarado. Quando me mostram algo errado, agradeço e conserto.

Por que essa fixação em borboletas?
Eu não tenho fixação nenhuma em borboletas. Tenho certeza de que nunca escrevi nada onde houvesse mais do que uma.

Você é preconceituso?
Todo mundo tem preconceitos. Eu tento identificar e desafiar os meus a toda hora, mas não deixo de falar o que penso. A propósito, acho que você deveria considerar se não me achou preconceituso apenas porque eu disse algo que conflita com os seus próprios preconceitos.

Você mistura tu, você, vós, a gente… Isso é falta de estudar ou pura dislexia?
Creio que dislexia, e um pouco de desleixo com a revisão.

Num?
Sim. Eu digo “num”, “numa”, “pra”. Soa mal, mas é mais forte do que eu. Desculpe, espero que isso não estrague as histórias.

Qual o intuito deste blog?
Isso é pessoal demais pra elaborar aqui, mas o blog é basicamente um desabafo de várias idéias, algumas mais ou menos estruturadas e recorrentes que outras, que me atormentam.

Isso que você escreve, me parece homossexual…
Antes de você terminar a frase, deixe-me observar que seu comentário também parece.

Idéias? Freqüente? Há-de? Saber a? Você escreve como meu bisavô. Aliás, já ouviu falar no Novo Acordo Ortográfico?
Bom, eu escrevo como falo e como aprendi a escrever. Isso é muito influenciado pelas coisas que leio também, principalmente pelas que li quando criança. Sei que muitas expressões e formas gramaticais são inusitadas para a maioria dos brasileiros (principalmente pelo pouco hábito de leitura nestas terras). Mas, de boa, alguém que entenda coisas como “vdd ctz, d+ daora kra” consegue também entender o modo como eu escrevo. Sobre o acordo, ouvi falar sim e não concordo com ele. Acho absurdo se oficializar um modo errado de escrever porque as escolas brasileiras não conseguia ensinar o correto. Por causa disso, já há quem diga linguiça sem pronunciar o “u”. Usando a mesma lógica de simplificação, deveriam mudar também a aritmética e as leis da física.

Essa fixação em garotas de programa, boates, bares. Você deve ser o maior putanheiro, né?
Acho que você não prestou atenção no que leu.

Essas coisas que você conta aconteceram mesmo?
Mas isso importa?

Alguns de seus posts são muito… Como eu posso dizer? Parecem contos eróticos, pornografia. Você é um pervertido?
Agora não sei mais se é você quem não presta atenção ao que lê ou se sou eu quem escreve mesmo muito mal. Eu gosto de descrever os cenários, os sentidos, e os sentimentos. Não escrevo sobre sexo, mas, muitas vezes, ele faz parte da cena de um modo em que é imprecindível colocá-lo no texto, e por vezes com muito detalhe. Se para você isso se parece com aqueles “contos eróticos” de sites especializados: «Olá, meu nome é Fulano de Tal, tenho n anos, um metro e muitos de altura, sou o cara mais gostoso do mundo e vou contar como uma gostosa deu pra mim sem mais nem menos e me disse que eu sou  diferente de todos os outros e o melhor comedor do mundo», realmente eu sou levado a crer que escrevo muito mal e que não consigo me expressar.

Você sabe que é errado o modo como usa a pontuação?
Eu uso a pontuação para “pontuar” o ritmo do texto e identificar as aposições. Aprendi isso na escola. Sei que, hoje em dia, com a moda do construtivismo, os professores relaxam e deixam o aluno escrever como quiser. Na verdade, creio mesmo que muitos professores de hoje nem estudaram o modo tradicional de pontuar. Eu respeito o modo como eles ensinam, mas acho que eles também devem ter um pouco de humildade e respeitar o modo como eu escrevo. Porém, reitero, sei que tenho meus vícios e que estou desleixado com a revisão, então há coisas que escrevo erradas mesmo para o modo como considero certo.