Uncategorized

Correspondência

As coisas que escrevo, não sei se tenho o direito de guardar algo só para mim. Depois de escritas, não estão mais em minha cabeça, dentro de mim. Estão no papel, nascidas, independentes. Não precisam mais de mim para viver.
Embora com pouca pretensão, tudo o que escrevo se dirige a alguém. É como uma carta, tem destinatário, conhecido ou não, concreto ou abstrato. Escrita, selada, ela já nao é mais só minha. Despachá-la impõe-se como obrigação.
Não posso então fazer como nas piadas óbvias das comédias da tarde: violar a caixa dos correio, da correspondência e roubá-la de volta.
Gostava de pensar que faço, de minha vida também, algo assim. Que não a viva para mim, mas para dividir com alguém de estima, seu destino.

4 comentários em “Correspondência”

  1. Uma vez ditas, escritas, para quem está desse lado de cá, as lendo se torna possível conhecer um pouco mais quem as escreve… Quem as lê fica imaginando quem são os reais personagens, quando as histórias e criações aconteceram….

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s